Quebrando o Tabu

            Um documentário sobre a descriminalização do usuário de drogas e a legalização da maconha pode gerar muita polêmica. No entanto, esse não é o objetivo de ‘Quebrando o Tabu’, que mostra um ponto de vista diferente sobre o combate as drogas no intuito de gerar discussões sobre o assunto e provar que essa medida que parece extremamente estúpida para muitos faz sentido e pode ser o caminho certo a ser tomado.
            Tocando num assunto delicado como esse, o filme só conseguiu ser realizado por causa do apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, um dos responsáveis pelo argumento do filme. FHC viajou o mundo todo com o diretor para a construção do documentário, ouvindo especialistas nos mais diversos tipos de cargos, desde Bill Clinton até pessoas que trabalham somente com coisas relacionadas ao assunto. Assim, o filme é composto por depoimentos dessas pessoas, principalmente do ex-presidente brasileiro, e tenta, a cada cena, mostrar os fatos que levam todas essas pessoas acreditar que descriminalizar (ou legalizar, para alguns) é a solução.
            O filme começa mostrando que ‘nunca existiu um mundo sem drogas’, que talvez seja o único argumento ruim do trabalho final, mas que sustenta todos os outros, já que é dito que não devemos tentar acabar com elas e sim amenizar os danos cada vez mais. Logo, é mostrado a história da Guerra Contra As Drogas e os fatos: o combate não está funcionando e só piorou as coisas, com aumento de consumo e o crime organizado, entre outros problemas. Que as coisas não estão dando certo, todo mundo sabe, mas o que fazer pra melhorar?
            Nesse caso, o filme serve como uma ponta de discussão para a resposta dessa pergunta, já que preocupa-se em mostrar os fatos, as explicações, o que tem que mudar e ser feito, mas como tudo isso deve ser realizado. Ao longo do documentário, vários argumentos sobre vários pontos do tema são apresentados, de forma muito amarrada e corriqueira. Isso é ótimo de um lado, pois mantém os espectadores intrigados e ainda não deixa brechas para as pessoas pensarem muito em contra-argumentos, já que os mais previsíveis são incrivelmente bem explicados logo em seguida de poderem surgir.
            Além do ex-presidente brasileiro, tem presença importantíssima o doutor Dráuzio Varela, que contribui muito para convencer o público de que a legalização e a descriminalização são o caminho certo a ser seguido. O autor Paulo Coelho também aparece entre quem é a favor. E contra mesmo, só o presidente que declarou Guerra As Drogas em 1970 e o George Bush falando sobre o assunto, o que serve também como recurso para convencer quem assiste, já que a credibilidade do americano está baixa no mundo todo.
           Em suma, o documentário se esforça com coragem para mostrar um ponto de vista super reprimido pela sociedade. Mas o que nem a pessoa mais conservadora pode negar é que o argumento deles faz muito sentido e pode ser uma saída interessante para o problema das drogas. Até mesmo quem é extremamente contra a legalização irá repensar seus conceitos e quem sabe, mudar de opinião, e que fique claro que em momento algum é feita apologia ou incentivo ao uso dessas substancias. Assim, o filme pode ser considerado um trabalho de sucesso e pode vir a ser marco importante na história das drogas na sociedade. Mas o maior problema de tudo o que dizem no filme é que a maioria é pura especulação e realmente, as mudanças seriam bem difícies de serem realizados. Entretanto, difícil não é impossível e o filme é o ponto de partida para o progresso desse assunto. Você sendo contra ou a favor, conhecer um ponto de vista nunca é perda de tempo, e o filme se torna essencial para ser visto e revisto.

2 comentários em “Quebrando o Tabu

  • 13 de junho de 2011 a 22:00
    Permalink

    Texto muito bom, concordo com tudo que foi dito. Um documentário ou até mesmo um filme qualquer tem o objetivo de convencer, e este convence mostrando pessoas importantes da mídia.
    O foco principal do filme é mostrar que existe uma outra maneira de tratar o usuário sem repressão. Bom eu sempre fui a favor dessa outra maneira e por isso o filme é bem vindo pra mim sendo ele bom ou ruim cinematograficamente ou aos olhos de outro crítico.
    Já vi alguns outros filmes sobre o mesmo assunto e posso dizer que Quebrando o Tabu não é o melhor na minha opinião. Outro filme brasileiro que aborda o mesmo tema é Cortina de Fumaça, bem interessante para quem gosta do assunto e quer ter uma opinião mais formada.
    No texto você diz que o filme logo no começo mostra que 'nunca existiu um mundo sem drogas', eu não entendi bem, e não sei se você quis dizer que não acredita no argumento do filme ou se o argumento do filme ficou falho ou coisa do tipo.
    Bom, um mundo sem 'drogas' nunca existiu. O homem vem usando as chamadas drogas a muito tempo seja em rituais ou para seu próprio prazer e isso está comprovado. Se der uma pesquisada mais a fundo no assunto vai ver que é isso mesmo.

  • 5 de janeiro de 2012 a 18:48
    Permalink

    Eu acho esses argumentos simples falácias. Dizer que devemos liberar as drogas porque a repreensão fez aumentar o tráfico é igual dizer que devemos liberar o assassinato porque a taxa de homícios tem aumentado.

Comentários estão encerrados.