Histórias Cruzadas

   
       Como você se sentiria cuidando do filho de uma pessoa enquanto o seu próprio é criado por outra? Essa é uma das perguntas que Aibileen, interpretada pela duas vezes indicada ao Oscar Viola Davis (Dúvida), deve responder no início de Histórias Cruzadas (The Help). Tal ponto é apenas um dos desafios da dura rotina dessa empregada doméstica, que será peça importante nesse longa que explora de maneira envolvente os preconceitos da sociedade americana em meados do século XX.
        Na trama, Eugenia (ou “Skeeter”), interpretada por Emma Stone (Amor a toda prova), é uma aspirante a jornalista que, sendo grande admiradora da empregada que a criou e observando o modo como elas são tratadas na sua cidade natal, em Mississipi (o Estado americano mais segregacionista da época), resolve escrever um livro contando o dia-a-dia das empregadas domésticas, pelo ponto de vista delas. Tal livro é A Resposta, de Kathryn Stockett, no qual esse filme foi baseado.
        O longa mostra todo o racismo e a segregação da sociedade americana em relação aos negros e reconstrói um cenário onde foi preciso muita coragem para as domésticas resolverem se expressar e colaborar para a realização do livro. A relação patroa e empregada é friamente retratada e chega, algumas vezes, a chocar o espectador de hoje. Mas em meio a todo esse preconceito, essas mulheres podem ter a vez de finalmente terem uma voz.
        Os personagens são muito bem construídos, o que justifica a longa duração da obra. O filme cumpre o que promete, e o grande mérito é das atrizes, principalmente Octavia Spencer, no papel da doméstica Minny. Entre as patroas, Bryce Dallas Howard (A Dama na Água, Manderlay) e Jessica Chastain (A Árvore da Vida) também merecem destaque, e Emma Stone vira mera coadjuvante em meio a tanto talento, mas faz bonito no que talvez seja o papel mais importante de sua carreira até agora. Das quatro indicações ao Oscar que o filme recebeu, uma é a de melhor filme e as outras três são para as atrizes: Davis, Spencer e Chastain. Seria uma grande injustiça nenhuma delas sair premiada esse ano, sendo Spencer a melhor, que concorre como coadjuvante com Chastain.
         Uma bela história com roteiro afiado e atrizes excelentes, Histórias Cruzadas não tem a força e a emoção de outro filme sobre o tema, o clássico A Cor Púrpura, de Steven Spielberg. Entretanto, é um belo filme, que deve agradar a todos e mereceu todas as indicações a que concorre e o grande sucesso de bilheteria que foi nos EUA.