Christina Aguilera – Lotus

               
Pouco mais de dois anos se passaram desde que Christina Aguilera anunciava o álbum Bionic e seu retorno ao mercado musical, após o hiato desde Back to Basics. De lá pra cá, muita coisa aconteceu: seu quarto álbum de estúdio virou alvo de comparações com Lady Gaga, vendeu mal, recebeu muitas críticas negativas e não emplacou uma turnêzinha, quanto mais um hit; junto à recepção morna do seu trabalho, a cantora enfrentou um divorcio e engordou; ganhou uma estrela na calçada da fama e lançou Burlesque, seu primeiro filme, que teve uma boa bilheteria, o que logo foi esquecido quando errou o hino nacional americano no programa mais assistido do ano, o Superbowl, e tropeçou durante uma homenagem a Aretha Franklin no Grammy. Com o The Voice e a parceria com Maroon 5 em Moves Like Jagger, parece que Aguilera reencontrou seu espaço no mercado musical americano. O novo álbum Lotus, cujo lançamento mundial é hoje, simboliza a volta por cima de uma das vozes mais potentes da música atual.

“Esse é o começo”, declara Christina Aguilera na intro do novo álbum, cujo nome representa uma flor “inquebrável” que existe dentro dela, e que agora é libertada. O recado dado é evidente já na primeira música do álbum, a incrível Army of Me. Já dá para colocá-la na lista das melhores do ano e, por que não, de toda a carreira da cantora. Isso porque ela é a síntese do novo trabalho e tem as principais virtudes da diva: uma música muito poderosa e dançante, com muitos gritos e atitude. Nessa versão mais animada de Fighter, Aguilera diz que há um verdadeiro exército de faces suas para toda vez que alguém quebrá-la, e estão todas mais fortes. Vai encarar?

Pode-se dividir Lotus em duas simples categorias: as músicas divertidas e aquelas mais sérias, que refletem sentimentos mais densos da cantora. Army of Me é a que mais se encaixa nas duas. Já as quatro faixas seguintes apresentam uma Aguilera descontraída querendo levar todo mundo pra pista. Red Hot Kinda Love é muito chiclete e tem uma sonoridade engraçada (diferente das experimentações de Bionic, vale ressaltar); Make The World Move, parceria com CeeLo Green (outro mentor do The Voice), é para se jogar, mas é muito barulhenta – e não estou me referendo aos gritos sempre bem-vindos que são a marca registrada de Aguilera – talvez fique melhor ao vivo, sem o CeeLo; Your Body, o primeiro single, mostra uma Aguilera poderosa e quase tão apelativa quanto nos tempos de Dirrty – “é verdade o que você ouviu, eu sou uma doida”; e o ciclo de músicas divertidas se fecha com Let There Be Love, a faixa mais comercial do álbum e mais próxima do que faz sucesso hoje em dia.

Com Sing for Me, mais um daqueles momentos inacreditáveis que poucas cantoras podem proporcionar com tanta frequência como Aguilera. A primeira balada do álbum é revigorante. É um hino que tenta despertar o melhor das pessoas (ou pelo menos o melhor da cantora) por meio da música, inspirá-las a cantar por elas mesmas. Ela avisa: “Quando eu abro minha boca, todo o meu coração sai para fora”. E manda o recado para todos que criticaram ela com o último trabalho. Ela não vai parar.

Em seguida, o ápice do álbum – também uma balada. Depois de fazer seus fãs se divertirem e se sentirem poderosos, vem a bala de prata: Blank Page. Uma linda música sobre recomeçar a vida, ou mais precisamente um relacionamento. Aguilera vem mostrar que arrependimento não mata e se apresenta como uma folha branca, esperando a vida começar. Se Army of Me é o grande destaque do álbum, Blank Page é o grande tesouro.

Na faixa seguinte, Aguilera se rende em Cease Fire, uma das melhores do álbum. Depois, volta toda animada em Around The World, onde recorda os tempos de Lady Marmelade, menciona o Brasil e alimenta esperanças de trazer sua próxima turnê para cá. Seguem-se boas músicas, incluindo um dueto com Blake Shelton que fecha o álbum.

Lotus traz músicas com potencial de marcar para sempre a interprete de Beautiful. Divertido e poderoso, Aguilera prova continuar trabalhando para fazer coisas diferentes em cada álbum, mas principalmente, continua a “olhar para seu reflexo e abraçar a mulher que se tornou”. É assim que ela inspira seus ouvintes a fazer o mesmo.
Acima, o vídeo de Your Body. 

Um comentário em “Christina Aguilera – Lotus

  • 14 de novembro de 2012 a 20:19
    Permalink

    Adorei a resenha. O disco é sensacional também. Apesar de achar que o disco não vai chegar ao #1 da Billboard, mas pelo menos vai servir pra apreciarmos lindas músicas, como "Army of Me" (<3) e "Around The World", na minha opinião a melhor do álbum! =D

Comentários estão encerrados.