O Impossível

Uma questão de segundos pôde mudar a vida de milhares de pessoas, ou acabar com ela. Foram mais de 174 mil mortos nos quatorze países asiáticos atingidos pelas ondas gigantes no final de 2004. Oito anos depois da tragédia, a história de uma família de sobreviventes é adaptada para as telas do cinema em O Impossível, do espanhol J.A. Bayona (O Orfanato).

O longa conta a história real de Maria (Naomi Watts), Henry (Ewan McGregor) e seus três filhos, nos momentos que antecedem e sucedem o tsunami. Hospedados num hotel à beira mar, os cinco são surpreendidos pelas ondas. A luta para sobreviver é contada a partir do foco da personagem de Watts, excelente no papel que lhe rendeu indicações de melhor atriz no Globo de Ouro e no Oscar.
O filme cumpre o que se pode esperar de um bom exemplo da categoria de catástrofe. Envolve o espectador gradativamente e consegue aproximar os personagens da audiência com maestria. As cenas, quando não angustiantes, são tecnicamente impecáveis, não só na reconstrução do desastre, mas também para emocionar o espectador. O diretor mostra que sabe utilizar todos os recursos cinematográficos para tornar o longa o mais tocante possível. Uma longa sequência num hospital, no clímax do filme, é o ápice dessa técnica. 
Bayona toma cuidado para não transformar uma bela história real num drama qualquer. O grande êxito do filme é conseguir envolver e emocionar o público com uma força devastadora. Mostra o quanto realmente parece impossível a história que é contada e o quanto é incrível o que realmente aconteceu. Esfrega na cara do público que nada é impossível. Ou, talvez, seja impossível não chorar nesse excelente longa.

2 comentários em “O Impossível

  • 10 de janeiro de 2013 a 22:14
    Permalink

    Gabrielllll não preciso falar mais nada.Vc falou tudo q eu pensei sobre o filme. A Naomi merece a indicação,e o filme é envolven! Mas além do acontecimento catastrófico por si só, o q mais causa impacto é saber q estória é real.Parece realmente Impossível, uma família de 5 pessoas ter sobrevivo a isso!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *