Mama

O curta que inspirou o filme Mama, ambos dirigidos por Andres Muchietti, é uma narrativa bem simples, que consistia apenas em duas crianças fugindo de um fantasma, mas que cria uma válida situação de suspense em menos de três minutos – a simplicidade e a brevidade do projeto eram pontos ao seu favor. Adaptado para o cinema, sob produção de Guillermo del Toro (O Labirinto do Fauno), resultou num filme assustador e convincente – pelo menos, até certo ponto.
Antes mesmo dos créditos de abertura, a trama vai rapidamente tomando forma e já entrega várias situações inesperadas, com a fuga de um homem com suas duas filhas. Após a abertura, composta de desenhos que lembram pinturas rupestres, o enredo se desloca cinco anos no futuro, onde, finalmente, as garotas são encontradas, vivendo como animais. O casal formado por Lucas (Nikolaj Coster-Waldau), tio das garotas, e Annabel (Jessica Chastain, indica ao Oscar por A Hora Mais Escura) tentará reintegrá-las na sociedade e formar um lar. Entretanto, as crianças enxergam um fantasma que chamam carinhosamente de “mama”, e que inquietará a nova família.
Embora apele para o fantasma e a infância primitiva das garotas com o intuito de gerar sustos fáceis, muitas vezes gratuitos, o filme se sustenta com uma boa história e uma boa direção. O diretor segue à risca a cartilha do gênero, filmando de maneira a provocar os mais tensos planos, e usando até de velhos clichês de histórias de casas mal assombradas e algumas tiradas de humor. Funciona: Mamaconsegue, em muitos momentos, ser aterrorizante, e a tensão permeia o filme até o fim.
O maior mérito da obra são as contradições das duas meninas. Personagens muito ambíguas, e, por isso mesmo, bem desenvolvidas: em alguns momentos, as fofas podem ser mais aterrorizantes do que o fantasma da Mama. Isso cria não só um, mas três objetos de perigo. Ao mesmo tempo em que o espectador teme pelas crianças, ele sente medo delas próprias. Essa ambiguidade é bem explorada para os sustos, para o clima acentuado de suspense e para as cenas das sessões de terapia, onde a pequena Victoria, a mais velha das filhas, é colocada no divã. Outro personagem ambíguo é a própria Mama, que pode até levantar questões sobre laços maternais ou sobre a humanidade do fantasma.
A direção certeira dá o clima e a ambiguidade dessas três personagens é o motor do filme. Entretanto, o filme peca na sua sequência final. Talvez fosse melhor que o longa não tentasse se explicar tanto e terminasse numa das cenas mais marcantes do filme: a que faz referência ao curta em que a obra se baseia. O diretor faz uma jogada arriscada e coloca os personagens praticamente na mesma situação do curta, mas termina a sequência de maneira diferente, pegando uma peça em quem conhecia o original. De quebra, ainda completa com uma aterrorizante situação com a personagem da tia que, até então, tinha sido inútil para o desenvolvimento do filme e que, com exceção dessa cena, continuou sendo. Se o filme parasse ai, em aberto e assustador, poderia ter sido uma melhor solução – o plano que mostra a casa logo em seguida seria perfeito para o encerramento, e esse tal personagem (uma senhora que quer a guarda das crianças) teria alguma razão de existir.

A partir desse momento, porém, a obra muda de ritmo e vira, mesmo que só pelos minutos finais, uma mistura de filme de ação com fantasia. Entrega os mistérios da trama para o espectador, junto com um final que, apesar de incomum e totalmente inesperado, parece um pouco brega – um final de conto de fadas que destoa do gênero.

O terror claustrofóbico da casa, das meninas e do fantasma vira algo piegas no desfecho. Louvável a criatividade para terminar o filme, mas o final fica aquém do que foi visto anteriormente. Todavia, apesar dos tropeços e dos clichês do gênero, Mama se garante como um bom filme de horror – bem executado, envolvente e aterrorizante. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *