O Sono da Morte

O diretor Mike Flanagan já provou que sabe fazer um bom filme de terror com Hush – A Morte Ouve, lançado no Brasil direto para Video On Demand. No longa-metragem, uma mulher surda é surpreendida por um maníaco e o fato da não conseguir nem ouvir nem falar é um grande fator de tensão. Quem for aos cinemas com essa boa referência, entretanto, pode se decepcionar com O Sono da Morte (Before I Wake), novo longa-metragem do cineasta. Vendido como filme de terror no Brasil, a obra funciona mais como uma narrativa fantástica.

Na trama, o casal Jessie (Kate Bosworth) e Mark (Thomas Jane) aceita adotar Cody (Jacob Tremblay, de O Quarto de Jack), após perderem um filho. O menino parece perfeito, entretanto, guarda em sua caixa uma série de comprimidos e bebidas para ficar acordado. Logo, os pais adotivos vão perceber que Cody tem um dom de transformar sonhos em realidade. E um dos primeiros sonhos do garoto nessa nova família é, justamente, o filho falecido do casal.

Embora tente dar alguns sustos, alguns muito previsíveis por sinal, O Sono da Morte não se esforça para ser um filme de terror, dando apenas um leve flerte com o gênero. Este flerte poderia ter sido melhor aproveitado, como toda a cena em que o garoto pega no sono da escola, que resulta em uma sequência sem sal e que, além de não fechar as questões do bullying e do interesse amoroso de Cody na garota de sua sala (assuntos que mal são retomados depois), decepciona com tamanha mediocridade.

Mas o fato é que O Sono da Morte tem muito mais para mostrar do que os sustos fáceis que propõe. Com a ideia de tornar os sonhos do garoto realidade, há toda uma beleza por trás, uma vez que Cody é fissurado por borboletas. E a tensão desses sonhos com o casal é uma excelente premissa: uma vez que Jessie e Mark não escondeu a foto com o seu falecido filho, Cody sonha com ele. E o reencontro, o desejo de que aquilo seja real, as fronteiras entre o perigo e o desejo, são temas que o filme trabalha e que enriquecem a experiência.

Como não se trata, aparentemente, de tentar fazer um terror convencional, O Sono da Morte ainda traz uma explicação plausível para o monstro que o menino vê em seus pesadelos. Certo, a resolução do conflito com este monstro vai parecer até engraçada, e não fica muito claro como Jessie deduziu tudo aquilo. São alguns pontos que enfraquecem o filme.

| Gabriel Fabri