O Espaço Entre Nós

Tendo como referência o clássico alemão Asas do Desejo, de Wim Wenders, filme em que um anjo se apaixona por uma humana, o longa-metragem O Espaço Entre Nós (The Space Between Us) fala sobre o romance e amizade entre um marciano e uma terráquea. Mas não espere uma versão romântica de E.T. – O Extraterrestre ou algo no estilo A Bela e A Fera. O marciano, no caso, é o filho de uma astronauta que deu a luz em Marte, após ela viajar para o espaço sem saber que estava grávida. A direção do longa-metragem é de Peter Chelsom (Dança Comigo?).

Após mostrar brevemente a missão que levou uma astronauta grávida ao espaço, que morreu no parto, a história avança para quando o filho, Gardner (Asa Butterfield), já está com 16 anos. Nerd do computador, o garoto tem como único amigo um robô que ele mesmo criou, além da equipe da NASA que vive com ele no estação espacial. Ele também conversa escondido pela internet com uma garota na Terra, Tulsa (Britt Robertson), que não faz a menor ideia de que ele vive trancado em Marte. Após pressão da engenheira Kendra (Carla Gugino), o idealizador por trás da missão, Nathaniel (Gary Oldman) finalmente aceita que o garoto seja operado para poder ser enviado à Terra.

Apesar da sensação de que o longa-metragem se alonga demais em explicações na primeira parte do filme, adiando o principal, o encontro de Gardner e Tulsa e a sua viagem em busca do pai do garoto, O Espaço Entre Nós mantém a curiosidade do público desperta, diante da premissa criativa. O filme fica ainda melhor quando se torna uma espécie de Cidades de Papel, com a diferença de que o casal está unido, e sendo procurados por autoridades. As semelhanças da atriz e da personagem com as mesmas do outro filme são claras (Robertson lembra muito Cara DeLevingne), mesmo Tulsa não sendo a garota mais popular do colégio (pelo contrário). Também os protagonistas homens dos dois filmes são parecidos.

Aqui temos uma espécie de brincadeira com os aplicativos de paquera: Tulsa não sabe nada de Gardner, mas os dois já se conversavam há meses. Ela reclama dos segredos das pessoas, mas ao mesmo tempo, não revela seu nome verdadeiro em nenhum momento. São duas pessoas íntimas mas estranhas a si mesmos. Nessa viagem, irão se conhecer de verdade pela primeira vez, e também sair juntos de suas bolhas de tédio.

É um enredo perfeito para adolescentes, mas o filme com certeza se conecta com todos os públicos, uma vez que o casal principal tem química e carisma. O Espaço Entre Nós ainda guarda uma reviravolta e, apesar de parecer um tanto exagerado em alguns momentos, tem certa poesia também.

Por Gabriel Fabri