Uma Noite no Museu 3: O Segredo da Tumba

Por Gabriel Fabri

Falecido em agosto de 2014, o ator Robin Williams vive um dos seus últimos momentos nas telas do cinema no filme “Uma Noite no Museu 3: O Segredo da Tumba”. Ele interpreta pela terceira vez a estátua do ex-Presidente dos Estados Unidos Roosevelt, que ganha vida no Museu de História Natural de Nova York quando o sol se põe, assim como todos os outros objetos em exposição. Todas essas criaturas, entretanto, correm o risco de perder para sempre a magia que as transforma em seres animados.
Ben Stiller retorna no papel de Larry, o vigia noturno do museu. Nessa nova aventura, ele descobre que a magia que dá vida aos objetos provem de uma placa de ouro egípcia, que está se deteriorando. Para salvar os seus amigos, ele irá levar a placa para um museu na Inglaterra. Só um Faraó, cuja tumba está exposta nesse museu, pode ter a solução para o problema. Porém, ao chegar em um museu desconhecido com a placa, ela dará vida também para todas os objetos do local, que despertam pela primeira vez.
Ao transportar os personagens conhecidos como o de Robin Williams e o Owen Wilson para um museu diferente, com novas criaturas que Larry não conhece, “Uma Noite do Museu 3” faz com que a história de artefatos históricos ganhando vida tenha um ar de novidade que não se perde durante a maior parte do filme. Com bom humor, que brinca mais com as novidades tecnológicas e as suas manias do que os fatos históricos, o longa-metragem conquista rapidamente a simpatia do público, embora algumas piadas soem forçadas. Quem se destaca, roubando a cena do filme, é Lancelot, o personagem de Dan Stevens, que protagoniza o melhor momento do filme junto com Hugh Jackman, em uma participação especial como ele mesmo. 
O resultado é uma comédia leve e divertida. Uma boa pedida para as férias de janeiro.