Dinheiro Fácil (47ª Mostra Internacional de Cinema)

Dinheiro fácil, com Seth Rogen e Shailene Woodley, peca ao romantizar demais um episódio delicado da história financeira recente; filme integra a 47ª Mostra internacional de Cinema de São Paulo

Tentando repetir o sucesso de A Grande Aposta, comédia que tentou, com muito humor e ironia, explicar a crise financeira de 2008 e o mercado de capitais, Dinheiro Fácil, de Craig Gillespie (Eu, Tonya), retrata um caso bem recente e fresco na memória de quem acompanha o mercado financeiro: o movimento que pegou uma ação de uma empresa obsoleta, a loja de jogos Game Stop, e elevou a sua cotação às alturas, provocando falência de fundos de investimento que apostavam na queda do ativo.

A trama enfoca Keith Gill (Paul Dano), um jovem comum e fã de videogame, que fazia lives e comentários sobre o mercado financeiro em fóruns online e nas redes sociais. Como um cinéfilo apaixonado pela Blockbuster, Gill acreditava que as ações da loja Game Stop estavam desvalorizadas apenas por medo do streaming e dos jogos online, e começou a apostar em sua alta na bolsa de valores, colocando todas as suas economias no ativo em questão. Apesar de “estratégia” de sucesso improvável, Keith conquistou seus seguidores e gerou um movimento de compra que desestabilizou o mercado financeiro.

Com elenco estrelar que conta com Seth Rogen e Shailene Woodley, Dinheiro Fácil sustenta a atenção do público, apesar dos termos complicados e da previsibilidade da história (um caso altamente noticiado e recente), o que é um ponto positivo do roteiro. A trama poderia ficar mais fácil para o público se houvessem, por exemplo, as interrupções irônicas para explicar termos do mercado que encontramos em A Grande Aposta ou algo do tipo, mas, apesar do público ouvir o filme inteiro sobre opções de call sem saber muito bem como funciona, o básico é compreensível: grandes fundos estavam apostando na queda do ativo e perderam muito com a valorização das ações.

O pecado de Dinheiro Fácil é, talvez, romantizar demais o movimento, deixando de lado o fato de que muitos investidores pessoa física também perderam dinheiro, comprando quando o ativo estava em alta, e criando uma narrativa meio fantasiosa de “Luta de classes”, como uma grande vitória anticapitalista. Fica a anedota e a curiosidade de como nerds da internet driblaram o complexo mercado financeiro, sim, além do alerta para essa fragilidade e manipulação do sistema, mas o filme não vai tão a fundo nas questões que se propõe e pode acabar deixando uma sensação de que o dinheiro pode ser fácil, sim.

Por Gabriel Fabri (@_gabrielfabri)
Jornalista, especializou-se em Cinema, Vídeo e TV pelo Centro Universitário Belas Artes. Colaborou com Revista PreviewRevista FórumEm Cartaz e com o livro O Melhor do Terror dos Anos 90 (Editora Skript). É autor de Fora do Comum – Os Melhores Filmes Estranhos e O Pato – Uma Distopia à Brasileira.
Site | Instagram

Curte filmes absurdos? Confira o livro Fora do Comum – Os Melhores Filmes Estranhos clicando aqui

Leia mais do Pop with PopcornHome | Instagram

priminha gostosa www.coheteporno.net encoxada flagra caiu www.grandexxx.com neti transando com www.pornolegende.net advogada mulher pelada noirporno.com professor fazemdo sexu www.veryxxxhd.com sua aluna mural do violetporno.org fotos de www.pornoruhe.net nuas caseiras aline fuegoporno.com suny leone japan sex pretoporno.com vidos