Lista: Saiba o que ver no Petra Belas Artes à la Carte

Serviço de streaming leva o cinema Petra Belas Artes, em São Paulo, para todo o Brasil, com programação diferenciada

No próximo dia 31, o Petra Belas Artes, tradicional cinema de rua de São Paulo, lança o seu serviço de streaming: o Petra Belas Artes à La Carte. Com a opção de alugar filmes individualmente ou de assinatura de R$9,90 por mês, a plataforma mistura clássicos, lançamentos e raridades do cinema mundial.

Segundo o cineasta André Sturm, curador do projeto, esta não é uma plataforma dedicada somente a filmes alternativos. “Não é um serviço de filmes cabeça, e sim, de filmes bons”, explica. Ele ressalta que o streaming, hospedado na plataforma Looke, terá títulos fáceis de achar. “Hoje se perde muito tempo escolhendo o que ver, por isso, pensamos em algo mais simples”. Caso o assinante tenha dúvidas se deve assistir a um filme específico, ele pode acessar a sessão Por que Assistir, com curiosidades sobre cada obra. O Pop with Popcorn foi convidado para comentar alguns dos longa-metragens do catálogo.

Abaixo, separamos algumas sugestões para assistir no Petra Belas Artes à La Carte. Confira:

Petra Belas Artes à la Carte: O Casamento de Muriel

O Casamento de Muriel, P. J. Hogan, 1994

Essa comédia australiana conquistou o mundo com o seu bom humor e a trilha sonora com canções da banda Abba. Nela, Toni Colette interpreta uma mulher desengonçada que sonha em ter um casamento hollywoodiano. Um dia, ela rouba o dinheiro dos pais e foge com uma amiga para a cidade grande. A personagem foi inspirada no próprio diretor e roteirista P. J. Hogan (A Vingança está na Moda). Entretanto, a ideia da premissa foi inspirada em sua irmã, que de fato roubou 15 mil dólares australianos dos pais para morar em Sidney com uma amiga.

Petra Belas Artes à la carte: Possessão

Possessão, Andrzej Zulawski, 1981

A atriz Isabelle Adjani foi consagrada no Festival de Cannes por seu papel em Possessão, longa dirigido pelo polonês Andrzej Zulawski e que conta a história de um casal infeliz que vive na Berlim Oriental. Censurado nos EUA e banido no Reino Unido, o filme foi parcialmente inspirado na vida do diretor, que enfrentava um divórcio na época. Embora tenha sido consagrada, Isabelle Adjani chegou a afirmar que demorou anos para superar o fato de interpretar esse filme e que nunca faria um papel parecido de novo. O diretor teria feito ela mergulhar fundo em seu mundo de “escuridão e demônios” para o papel.

Petra Belas Artes à la Carte: Longe do Paraíso

Longe do Paraíso, 2002, Todd Haynes

A história da dona de casa que se apaixona pelo seu jardineiro se tornou o exemplo mais icônico de melodrama e amor impossível no cinema. Tudo Que o Céu Permite é, afinal, um dos filmes mais lembrados do mestre Douglas Sirk, responsável também por Palavras ao Vento. A história foi repaginada por outro diretor com ênfase no melodrama, R. W. Fassbinder, do cinema novo alemão, em O Medo Devora A Alma. Responsável por Carol, Todd Haynes aceita o desafio de reinventar essa história já contada por dois grandes mestres e conquistou quatro indicações ao Oscar, incluindo melhor atriz para Julienne Moore.

Santiago, Itália, Nanni Moretti, 2018

O mais recente filme do cineasta italiano Nanni Moretti, diretor de Habemus Papam, o documentário Santiago, Itália ressalta a importância da embaixada italiana no chile como foco de resistência à ditadura chilena. Durante o regime do ditador Augusto Pinochet, que durou de 1973 a 1981, a embaixada em Santiago serviu de refúgio para chilenos opositores ao regime. Por meio de depoimentos, o cineasta registra essa curiosa história de resistência e humanismo. há também entrevistas com defensores do regime ditatorial, e um dos momentos mais icônicos do filme é quando o cineasta afirma não ser imparcial na cara de um deles.

Acesse o streaming clicando aqui.

Leia mais do Pop with PopcornHome | Instagram