CCXP 19: Margot Robbie fala sobre “Aves de Rapina”

Margot Robbie e elenco falam sobre Aves de Rapina, novo filme da Arlequina, após painel na CCXP 19

Embora Esquadrão Suicida tenha dividido opiniões, a Arlequina de Margot Robbie foi a unanimidade: a promissora atriz australiana, indicada ao Oscar por Eu, Tonya, transformou sua personagem em um ícone da DC nos cinemas. Com previsão de estreia para fevereiro, Aves de Rapina – Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa foi tema de painel no primeiro dia da CCXP, o qual contou com a presença de diretora, produtores e elenco.

Na coletiva de imprensa realizada na última sexta-feira em São Paulo, Margot Robbie falou que não entende bem como Arlequina se tornou um modelo para os jovens após Esquadrão Suicida. “O compasso moral dela não aponta para o Norte”, pontua a atriz. Ela lembra que a personagem é cheia de imperfeições e que, quando a encontramos no outro filme, ela está em um relacionamento tóxico com o Coringa (Jared Leto). “Ela não tem nenhum dos ingredientes de um modelo, mas, de uma maneira estranha, muitas pessoas a viram como um modelo e eu fiquei realmente surpresa por isso”.

Margot contou que sempre pensa no que um papel pode trazer de bom para o mundo, se faria as pessoas pensarem, mas que com Arlequina ela precisava honrar a história da personagem, e que forçar algo nesse sentido não seria autêntico. “Eu não sei porque as pessoas admiram a Harley, mas eu sei que eu a amo, eu entendo as suas falhas, e talvez seja por causa das suas falhas que as pessoas se identificam com ela”, afirma Robbie. “Talvez isso seja algo que devemos honrar mais: as imperfeições”. Para ela, uma personagem que encontra força no meio de suas falhas é mais empoderador do que uma personagem que é perfeita e forte o tempo todo.

Um dos quadrinhos mais impactantes da personagem é, para Margot Robbie, é o Blue Eyes, no qual Arlequina faz amizade com uma garota para depois traí-la e cegá-la. A personagem, entretanto, não é uma heroína idealizada ou simplesmente pura maldade. “Ela é má, mas também se sente culpada por isso”. A atriz ressalta o vasto universo de possibilidades em torno da personagem para o cinema explorar, lembrando que Aves de Rapina não foi inspirado em nenhuma HQ em particular.

Não é a Gotham de Bruce Wayne

Quando se pensa em Gotham City, a cidade fictícia na qual habita Batman, a primeira imagem que vem à cabeça não é o de um grupo multiétnico de heroínas mulheres lutando e, como elas próprias ressaltaram na coletiva, “chutando os caras nas bolas”. Cada personagem desenvolveu um estilo único de ação que, juntas, se complementavam

Uma das que mais chutou bolas foi Rosie Perez. A atriz veterana aceitou o desafio de se iniciar no boxe para o filme e se machucou no primeiro dia de treinamento – nem por isso deixou de treinar. “Sou uma mulher de certa idade e queria representá-la nas telas”, conta a atriz. “Eu espero que todas as mulheres entendem que isso não para – o seu corpo pode rejuvenescer, pode fazer coisas que você pensava que ele não poderia mais fazer, então saía e apenas faça, faça e seja forte”, afirmou, arrancando aplausos dos jornalistas.

Por Gabriel Fabri

Confira o trailer de Aves de Rapina:

Leia mais sobre a CCXP clicando aqui

Leia mais do Pop with PopcornHome | Instagram