Raw

Uma garota acaba de entrar na faculdade de veterinária e, na sua primeira semana de aula, é coagida a comer um rim de coelho para ser aceita entre os veteranos – entre eles, está a sua própria irmã mais velha. O detalhe: a garota é vegetariana e logo começa a ter reações alérgicas após engolir o pedaço de carne. Essa é a premissa do filme francês Raw (Grave), de Julia Ducournau, que chega ao Brasil diretamente na Netflix. Exibido no Festival de Cannes, o longa-metragem provocou desmaios quando exibido no Festival de Toronto.

Embora a premissa traga o tema do trote estudantil, o longa-metragem não explora tanto o universo de humilhações e problemas sociais que marcam a vida de adolescentes mais reservadas, como a personagem Justine (Garance Marillier), no mundo todo.  O foco, aqui, são as transformações do corpo, mas não apenas as da idade, uma vez que o corpo da garota sofre uma transformação especial: ela começa a sentir desejo por carne, qualquer carne, inclusive humana. Descobrindo esse novo desejo, Justine aproxima-se de sua irmã, Alexia (Ella Rumpf), e de seu colega de quarto, Adrien (Rabah Naït Oufella).

Com o toque de bizarrice que um filme com tema de canibalismo inevitavelmente traz, Raw esforça-se para ser uma obra diferente, mas lhe falta ousadia para se tornar mais que um entretenimento passageiro. A decisão de Ducournau de focar na jornada de experimentações de Justine é certeira, uma vez que leva o filme para caminhos que não a julgam pelo desejo por carne humana, nem sequer esboçam uma defesa do vegetarianismo. O longa-metragem trata com naturalidade o desejo dela por carne (humana), o que explica o fato de que, vendido como terror, o filme tem raros momentos que flertam com esse gênero – em especial, uma simples mas incrível sequência debaixo de um lençol.

Falando sobre desejo e experimentações, Raw é um filme estranho, que tem sexo entre pessoas que não se atraem um pelo outro, uma relação entre irmãs um tanto esquisita e dedos sendo decepados e comidos. Fica a sensação de que poderia ter sido algo mais: a explicação para o canibalismo era óbvia, e o ambiente universitário de Justine não tem nenhum grande desafio para a personagem, além do inferno básico para uma pessoa tímida e esquisita (ela come carne humana!) se enturmar.  A crueldade desse ambiente, presente em alguns detalhes, poderia trazer um ambiente mais sufocante para a personagem e para o público, além de outros desafios para a personagem.

Por Gabriel Fabri

priminha gostosa www.coheteporno.net encoxada flagra caiu www.grandexxx.com neti transando com www.pornolegende.net advogada mulher pelada noirporno.com professor fazemdo sexu www.veryxxxhd.com sua aluna mural do violetporno.org fotos de www.pornoruhe.net nuas caseiras aline fuegoporno.com suny leone japan sex pretoporno.com vidos