Estou me guardando para quando o carnaval chegar – Crítica

Os comentários, quase nostálgicos, nos primeiros segundos de Estou me guardando para quando o carnaval chegar podem criar a falsa expectativa de que veremos um retrato emocionado sobre o passado do narrador na sua cidade, Toritama. Porém, os minutos seguintes revelam ao espectador outra obra, uma que tem como alicerce o retrato seco da indústria têxtil daquele município.

O que o diretor Marcelo Gomes faz em seu documentário é mostrar como a fabricação de calças jeans impacta a rotina de toda uma cidade. A estrada que dá acesso à Toritama já nos apresenta os outdoors que divulgam o produto, enquanto as ruas enfileiram casas que fazem de suas garagens pequenas oficinas. Diferentemente de outros grandes polos industriais, dominados por gigantescas fábricas, aqui cada residência tem um pequeno empresário, que fabrica centenas de peças diariamente.

Esse cenário dá a liberdade de explorar o ambiente que se cria em cada minúscula fábrica e suas diferentes versões da rotina de trabalho, fruto dos diferentes perfis de trabalhadores, que partem da preguiça, passam pela criatividade inovadora, e chegam a uma espécie de obsessão produtiva. Ainda assim, apesar da heterogeneidade, quando a direção dá um close em uma máquina de costura, nos movimentos repetitivos que o seu manuseio gera e no barulho cujo ritmo, de tão bem marcado, parece estar acompanhando um metrônomo, logo somos transportados para Tempos Modernos, de Chaplin. Apesar da enorme autonomia possível naquela indústria, a rotina imposta por ela ainda assim é estafante e não oferece possibilidade de progresso.

Sem folga ou férias, resta apenas viajar para a praia quando chega o Carnaval, passeio financiado pelo trabalho de todo um ano e, se necessário, pela venda de importantes bens pessoais.

Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar é uma visão pessimista da rotina de trabalho, não apenas daquela da indústria têxtil de Toritama, mas também de todas as outras, em que trabalhamos por dias esperando por fins de semana; por semanas esperando o feriado, e por meses, esperando as férias.

Por Caio Ramos Simidzu

Confira o trailer de Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar clicando aqui.